publicidade

Trekking de tirar o fôlego no monte Chacaltaya

Leonardo Vasconcelos

Leonardo Vasconcelos

Ver perfil

Publicado em 17/09/2017 às 10:17

Chegar ao topo de uma montanha de 5.421 metros, em plena Cordilheira dos Andes, não é tarefa fácil. Menos ainda para quem vive sob o nível do mar. Os efeitos da altitude (dificuldade em respirar, fadiga e tontura) aliados ao vento forte e temperaturas abaixo de zero grau fazem do trekking (caminhada esportiva) ao monte Chacaltaya, distante 30 quilômetros de La Paz, na Bolívia, um desafio do tamanho de uma das formações rochosas mais altas do país.

De ônibus, se faz o caminho da base da montanha até a antiga estação de esqui, que foi desativada devido ao derretimento da neve causado pelo aquecimento global. No local, também se encontra um centro de estudos de raios cósmicos. O transporte só consegue ir até este ponto. O resto é com você. O resto em questão é encarar uma subida de mais de duzentos metros em um terreno íngreme, de pedras, e escorregadio por conta da neve. Ir até lá e não chegar até o cume não está nos planos de ninguém, por isso todos fazem o caminho. Ou, ao menos, tentam.

publicidade

SUBIDA

Logo no início do percurso, a guia explica que, no idioma Aymara, Chacaltaya significa “estrada gelada”. Nem precisava. O frio intenso fala por si só. Tanto que mesmo estando bastante protegido com botas, luvas, gorros, segunda pele, camisas e casacos, ainda assim se sofre muito com a sensação térmica, que só piora a cada rajada de vento. Independente da altitude em que se vive, todos sentem o famoso “mal da montanha” que são os problemas decorrentes da falta de oxigênio. Os sintomas vão desde dor de cabeça e dificuldade em respirar até vertigem, tontura e desmaio. Nem se chega à metade do trajeto e já se vê muitas pessoas desistindo e dando meia-volta.

“Cada um precisa saber o seu limite e respeitá-lo”, avisa a guia aos que ainda continuam a caminhada. Forçando o tal limite, é possível com passos lentos e pausados, depois de quase uma hora, alcançar o topo. Como que se quisesse premiar a coragem, a montanha oferece em troca um visual único da cordilheira com imensos vales e lagos coloridos.

REDES SOCIAIS

Acompanhe as aventuras do blog no Facebook, Instagram, Twitter e Youtube (@blogmochileo).

*Acompanhe o @blogmochileo também pelo Instagram, Twitter, Facebook e Youtube.



Veja também