publicidade
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Em 2019, governo Paulo Câmara continua acima do limite prudencial nos gastos com pessoal

jamildo

jamildo

Ver perfil

Publicado em 29/05/2019 às 17:20

O Governo do Estado publicou, no Diário Oficial de desta quarta-feira (29), um relatório de gestão fiscal, documento previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para acompanhar a despesa total de pessoal dos poderes.

No novo documento, a despesa com pessoal ficou em 48,07% das receitas, acima do limite de alerta de 44,10% e do limite prudencial de 46,55%. O período de apuração foi de janeiro a abril de 2019.

Em relatório anterior, divulgado em março, a despesa tinha ficado em 47,94%, ou seja, houve um aumento das despesas.

Técnicos do setor informam que, segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal, ultrapassando este limite prudencial, o governo pode ser impedido de conceder aumentos aos servidores.

A lei proíbe “concessão de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a qualquer título”.

Negociações salariais com categorias do funcionalismo podem ser afetadas por este novo relatório, apontam especialistas sob reserva.

Segundo estas mesmas fontes, caso ultrapassado o limite máximo, o Governo do Estado pode ser proibido de tomar novos empréstimos.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

Fernando Castilho, em coluna no JC do início de março, já informava que as despesas com pessoal são um “pesadelo” para o Governo de Pernambuco. O Estado está entre os que mais gastam no país com servidores aposentados.

Veja trecho da coluna:

Estamos em más companhias

A Secretaria do Tesouro Nacional virou um pesadelo para o discurso de controle das contas do governo de Pernambuco. No final de 2017, ela distribuiu nova classificação sobre a capacidade de pagamentos dos Estados, que colocou Pernambuco na série C, impedindo-o de tomar crédito e obrigando o governador Paulo Câmara a recorrer ao STF para validar uma operação junto à Caixa Econômica.

Semana passada, um outro documento da STN colocou Pernambuco no grupo de Estados com maior crise financeira em relação à questão de comprometimento com despesa de pessoal inativo (43%), superado apenas por São Paulo (49%), Minas Gerais (45%) e Rio de Janeiro (43%). Esse talvez seja o único ranking onde não é bom estar entre os maiores Estados brasileiros, pois indica perspectivas mais difíceis.

Mas o problema maior está no volume de dinheiro que o Estado põe para pagar pessoal, comparado aos demais poderes. A conta do Executivo (R$ 11,087 bilhões) é previsível. Mas o que surpreende é que o Judiciário custou R$ 1,144 bilhão, num orçamento de R$ 1,540 bilhão; o Legislativo, R$ 574 milhões, num orçamento de R$ 909 milhões e o Ministério Público, R$ 344 milhões, num orçamento de R$ 450 milhões, revelando altíssimo comprometimento das receitas que o Executivo é obrigado a repassar por lei aos demais poderes e que ao longo dos anos estão carreando quase exclusivamente para pagar salários de servidores.

Paulo deixou conta para Paulo pagar

A outra conta que põe Pernambuco em situação vexatória é a constatação de que o governador Paulo Câmara deixou um pendura de 7% nas despesas de 2018 para ele mesmo pagar no segundo mandato, resultantes da chamada disponibilidade de caixa líquida, após a inscrição em Restos a Pagar Não Processados (RPNP). O secretário da Fazenda, Décio Padilha, considera o percentual perfeitamente administrável, mas o volume é mais um dado que a STN considera ruim.


Veja também