publicidade
Além de representar uma economia no tratamento da doença, espaçador artesanal tem praticamente mesma eficácia que produtos comercializados em farmácias (Foto: Reprodução)
Além de representar uma economia no tratamento da doença, espaçador artesanal tem praticamente mesma eficácia que produtos comercializados em farmácias (Foto: Reprodução)

Pesquisa demonstra eficácia de espaçadores artesanais no tratamento da asma

Cinthya Leite

Cinthya Leite

Ver perfil

Publicado em 20/06/2017 às 16:51

Um estudo desenvolvido no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC/UFPE) comprovou a eficácia de espaçadores artesanais, produzidos pelos próprios pacientes com garrafas plásticas, para administração de medicamentos contra a asma. Os aparelhos são usados para facilitar o manejo correto das substâncias medicamentosas por meio de nebulímetros pressurizados (as conhecidas bombinhas). A pesquisa foi publicada na edição 126 do periódico científico Respiratory Medicine.

Leia também:
» Confira 10 informações essenciais sobre a asma
» Prática de esportes pode ser aliada no tratamento da asma
» Especialista esclarece principais dúvidas sobre a asma
» Asma impacta produtividade de 9 em cada 10 funcionários, aponta pesquisa
» Exercício aeróbio reduz inflamação e sintomas de asma, diz estudo

Ao todo, 63 pacientes participaram da pesquisa. Divididos em dois grupos, os voluntários foram monitorados por dois meses. Metade dos participantes usou espaçadores comercializados nas farmácias, enquanto a outra parte fez uso dos aparelhos feitos de maneira artesanal. O estudo verificou que os resultados foram semelhantes em ambos os grupos no tocante à efetividade do tratamento para a asma.

O levantamento servirá como base para os pacientes que queiram economizar nos custos com o tratamento da doença, já que o produto comercializado nas farmácias é vendido por cerca de 90 reais. “É a ciência caminhando no sentido de desenvolver alternativas eficazes e mais baratas de tratamento da asma pensando em populações carentes”, ressalta José Ângelo Rizzo, chefe do Setor de Pesquisa e Inovação Tecnológica do HC e um dos responsáveis pelo estudo.

A pesquisa foi conduzida por médicos do Serviço de Pneumologia e de Alergologia do Hospital das Clínicas, unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), em parceria com pesquisadores portugueses.


publicidade

A doença

Doença crônica que afeta as vias respiratórias, a asma acomete, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas no mundo, incluindo crianças. A condição acomete principalmente os brônquios, canais que levam ar aos pulmões. Falta de ar, chiado no peito, tosse e aperto no peito são os sintomas mais comuns.

A maioria dos pacientes que convivem com a doença tem as primeiras manifestações clínicas ainda na infância, muitos até antes dos três anos de idade. Por isso, o diagnóstico é feito levando em consideração o histórico clínico do paciente, que geralmente tem ao longo da vida alguns episódios de agravamento que o levam ao hospital várias vezes com manifestação dos sintomas mais comuns.

A espirometria, procedimento que mede a capacidade inspiratória e expiratória do indivíduo, é um dos exames que auxilia os especialistas a confirmarem o diagnóstico da doença e a partir de então acompanhar a evolução do paciente. O tratamento, seja nos casos mais leves ou graves, é feito à base de medicações inalatórias com corticoide.

Controlar o peso, evitar o cigarro e praticar atividades físicas regularmente também são algumas das principais recomendações médicas para quem convive com a asma. Vale reforçar que, se não tratada corretamente, a doença pode até mesmo levar à morte.


Veja também