publicidade
AFP PHOTO / Andrei KOVALENKO
AFP PHOTO / Andrei KOVALENKO

Seis pessoas simulam voo à lua confinadas em módulo na Rússia

Renato Mota

Renato Mota

Ver perfil

Publicado em 11/11/2017 às 15:21

Três mulheres e três homens ficarão confinados durante 17 dias em um módulo especial em Moscou para realizar um experimento simulando um voo à lua.

O experimento faz parte do programa SIRIUS (Scientific International Research In Unique terrestrial Station), realizado em cooperação com a Nasa e que durará cinco anos. “Antes se pretendia conquistar o espaço, agora se trata de aprender a viver e trabalhar no espaço”, explicou à AFP Oleg Orlov, diretor do Instituto de Problemas Médicos e Biológicos de Moscou, que dirige o projeto.

Os 17 dias da primeira etapa “representam o tempo necessário para voar à lua, dar uma volta à órbita lunar e retornar à Terra”, explicou Orlov. Nas etapas seguintes estão previstas experiências de isolamento similares de 4, 8 e 12 meses. O SIRIUS busca principalmente elaborar um sistema de assistência médica para os voos interplanetários, estudando tanto os aspectos psicológicos da equipe em isolamento como os fisiológicos (por exemplo, a mudança do ritmo cardíaco).


publicidade

“Um dos principais problemas médicos a bordo de uma nave espacial é sua autonomia absoluta. É necessário que aprendam a administrar sozinhos a situação”, explicou Orlov, lembrando que os sinais enviados do espaço costumam chegar com um certo atraso à Terra.

Leia mais
Lua seria rica em água, aponta estudo
Projeto de colônia na Lua, feito no Brasil

Outra questão que será estudada cuidadosamente no módulo em que estão confinados os seis participantes, de 250 metros cúbicos, é a do sexo dos mesmos. “É a primeira vez na história russa e soviética que uma equipe ‘espacial’ inclui mais de uma mulher”, declarou à AFP um psicólogo participante no projeto, Vadim Gushchin, do Instituto de Problemas Médicos e Biológicos de Moscou.

Três mulheres -a cosmonauta Anna Kikina (33 anos) e as pesquisadoras em psicologia Elena Luchitskaya (37 anos) e  Natalia Lysova (27 anos)- acompanham três homens -o cosmonauta Mark Serov, o engenheiro alemão de origem russa Viktor Fetter e o médico Ilia Rukavishnikov.

“Com esssa equipe mista vamos estudar o que acontece quando aumenta o número de mulheres”, explicou Gushchin.


Veja também