publicidade
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Disney rompe com Netflix e anuncia plataforma de streaming própria

Ingrid Cordeiro

Ingrid Cordeiro

Ver perfil

Publicado em 09/08/2017 às 9:52

A Disney informou, na última terça-feira (8), que encerrou sua sociedade com a Netflix, anunciando o lançamento, em 2019, de um serviço próprio de streaming por assinatura.

O grupo também divulgou a queda de lucros líquidos no terceiro trimestre do ano fiscal e o volume de negócios abaixo do esperado pelo mercado, o que provocou queda nas suas ações em Wall Street.

LEIA MAIS

» Netflix fará série exclusiva dos Cavaleiros do Zodíaco
» Criador de ‘Os Simpsons’ fará comédia animada para Netflix
» Na era do Streaming, o Nero ainda é seu melhor amigo para converter e gravar CDs, DVDs e Blu Ray

Para sustentar sua entrada no mercado de streaming, a Disney vai desembolsar 1,6 bilhão de dólares, elevando de 33% a 75% sua participação na Bamtech, empresa especializada em tecnologias relacionadas a vídeos online.

A companhia disse que vai usar recursos dessa sociedade para divulgar por streaming os programas de sua cadeia esportiva, a ESPN, a partir de 2018, e lançar em 2019 um serviço próprio que os consumidores poderão assinar.


publicidade

“O panorama dos meios de comunicação está cada vez mais definido pela relação direta entre os criadores de conteúdo e os consumidores. Nosso controle da gama de tecnologias inovadoras da Bamtech vai nos dar o poder de criar essas conexões, bem como a flexibilidade de nos adaptarmos rapidamente às mudanças do mercado”, disse o CEO da Disney Robert Iger em comunicado.

Netflix e Amazon, bem como o Twitter nos esportes, desafiam o poderio das empresas de mídia tradicionais com a oferta de conteúdos por streaming mais bem adaptados aos gostos da geração “millenial”.

O anúncio provocou uma queda de quase 3% das ações da Netflix nas negociações após o fechamento da sessão em Wall Street.

Além do conteúdo esportivo, a nova plataforma também vai exibir o material de entretenimento produzido por Disney e Pixar em 2019. O grupo também promete “investimentos substanciais na produção original de filmes, séries televisivas” e outros conteúdos, afirmou Iger.


Veja também