publicidade
Na campanha de 2014, Jarbas, Raul Henry, Paulo Câmara, Fernando Bezerra Coelho e Geraldo Julio (Foto: Michelle Souza/Acervo JC Imagem)
Na campanha de 2014, Jarbas, Raul Henry, Paulo Câmara, Fernando Bezerra Coelho e Geraldo Julio (Foto: Michelle Souza/Acervo JC Imagem)

Em artigo no JC, FBC fustiga Paulo Câmara. “Pernambuco está ficando para trás”

jamildo

jamildo

Ver perfil

Publicado em 04/10/2017 às 6:00

Por Fernando Bezerra Coelho, em artigo no JC desta quarta-feira

Essa semana ultrapassamos a marca de mais de 4 mil homicídios, retroagimos aos vergonhosos números anteriores ao Pacto pela Vida, em 2007. O ministro da Defesa afirma que Pernambuco é mais violento que o Rio de Janeiro. Infelizmente, os nossos problemas não se resumem à violência e insegurança. Pernambuco está ficando para trás na sua capacidade de realizar projetos e articular a sua força política para transformá-los em investimentos a favor da nossa gente.

De 2011 a 2014, Pernambuco investiu R$ 9,6 bilhões. A Bahia R$ 8,0 bilhões e o Ceará R$ 9,1 bilhões. Pernambuco soube fazer valer a sua força política para liderar os investimentos públicos no Nordeste.

Em 2015, o Brasil mergulha na sua maior crise econômica, com reflexos bastante negativos em todo o Nordeste. Os números dos investimentos, de 2015 a junho de 2017, não socorrem a gestão Paulo Câmara que afirma estarmos de pé, apesar da crise, pelo simples fato de manter os salários dos servidores em dia. Isto é pouco. Pernambuco merece mais.

Pernambuco, que liderava, literalmente desaba. Agora, se posiciona em um distante 3º lugar com R$ 2,6 bilhões. A Bahia lidera com quase duas vezes e meia a mais, alcançando R$ 6,4 bilhões, e o Ceará vem em 2º lugar com quase o dobro de Pernambuco, com mais de R$ 4,9 bilhões.

Por termos grandes carências nas áreas sociais e de infraestrutura, um investimento não realizado hoje fará muita falta amanhã. Não podemos nos acomodar. Não podemos aceitar o mínimo.

Nos próximos meses, teremos a oportunidade de debater e apontar as razões que explicam a desaceleração do nosso estado. A crise do Brasil explica uma parte, mas não explica tudo. Muito tem a ver com as escolhas e as opções que aqui foram feitas.

Temos o dever de aspirar mais, de sonhar mais, de lutar mais, pois Pernambuco tem força e potencial para liderar o Nordeste. Pernambuco precisa de uma nova agenda, de um novo caminho, de uma nova liderança para construir um novo tempo.


Veja também