publicidade
Foto: Valter Campanato/ABr
Foto: Valter Campanato/ABr

Afastamento de Aécio acentua divisão interna do PSDB

Camila Souza

Camila Souza

Ver perfil

Publicado em 04/10/2017 às 7:55

Estadão Conteúdo – O afastamento do senador Aécio Neves (MG) determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) foi mais um capítulo na divisão interna do PSDB. O presidente interino do partido, senador Tasso Jereissati (CE), adotou discrição no caso, ao voltar ao Senado depois de viagem ao exterior: não discursou no plenário e pregou que a melhor solução era aguardar o pronunciamento da Corte.

“Há consenso entre juristas de que a decisão do STF foi um exagero. Então o ideal seria que o próprio Supremo resolvesse”, disse Tasso a jornalistas. Segundo auxiliares do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o tucano tampouco se mobilizou em prol do colega Aécio. A posição contraria Aécio e sua defesa jurídica, que nega agir de forma coordenada com o partido. Nesta terça-feira (3), aliados de Aécio tentavam convencer seus colegas de bancada a enfrentar a decisão do STF e votar no plenário o caso.

LEIA TAMBÉM
» Senado adia decisão sobre Aécio Neves para depois de votação do caso no STF
» Fachin rejeita pedido de Aécio para suspender afastamento do Senado

Esvaziamento

Tasso levou a bancada para uma reunião no seu gabinete, deixando a liderança tucana esvaziada. Não houve consenso. Ao fim, coube ao líder Paulo Bauer (SC), um dos pilares da reação aecista, dizer que o partido era a favor de realizar a votação, embora a posição fosse por maioria e não unânime.

» Não é hora de estabelecer confronto entre Poderes, afirma Doria sobre Aécio

Tasso não faz nenhum movimento para enquadrar dissidentes do governismo, o que ecoa na Câmara. A insurgência dos “cabeças-pretas” levou a bancada a tentar destituir o relator da denúncia contra o presidente Michel Temer, deputado Bonifácio de Andrada, mineiro como Aécio, um dos principais defensores da manutenção do partido no governo.

Na votação à noite, o PSDB encaminhou pelo não adiamento, como queria a defesa. “Sinto que esse foi o último ato de solidariedade”, disse o senador Ricardo Ferraço (ES). Só ele e Eduardo Amorim (SE) votaram em desfavor de Aécio. 


Veja também